Cloud Computing

Diferenças do PAAS, SAAS e IAAS

Com a evolução da qualidade da internet e a necessidade de acessar arquivos sem que ocupe memória interna, há o surgimento da computação em nuvem, que oferece a oportunidade de armazenar arquivos remotamente.

Sendo assim, surgem três modalidades de serviço na nuvem, que promovem a potencialização dos resultados da empresa, tendo três categorias principais que são: 

PAAS (Plataforma como Serviço);

SAAS (Software como Serviço); 

e IAAS (Infraestrutura de Serviço).

Esses três serviços possuem diferenças de características entre si, que serão explicitadas a seguir:

PASS

É uma ótima solução inovadora para os desenvolvedores e funciona como uma plataforma para desenvolvimento de software online.

Desse modo, é possível gerir uma aplicação, inclusive com a hospedagem. Possui uma série de vantagens, devido à ótima infraestrutura fornecida pelo ambiente, como a gestão de um grande volume de dados, suporte do servidor, possibilitando muitos acessos simultâneos, e a possibilidade das aplicações serem hospedadas remotamente.

Sendo uma opção de cloud computing para programadores, essa solução tem a missão de oferecer todos os recursos principais da IASS, com tudo que é necessário para manter um software, sem possuir um ambiente local estruturado.

Outra vantagem é a oportunidade de oferecer foco total no desenvolvimento para o profissional, sem a necessidade de perder tempo de trabalho com manutenções externas ao código. Logo, mais funcionalidades são desenvolvidas pelo time e o tempo para ser gasto com as atividades é expandido.

Diversas empresas oferecem esse serviço na web com muita qualidade, entre as quais destacamos plataformas como a Heruku, Oracle Cloud Platform, Google App Engine, entre outras.

Algumas, como a primeira, ainda oferecem versões grátis, que para ser utilizado em aplicações não comerciais e apps pessoais, não é exigido nenhuma taxa.

SAAS

O Software como Serviço (SAAS) é um modelo de negócio em que um software é oferecido na nuvem para ser utilizado por terceiros. 

Sua utilização se dá através de uma assinatura, a ser paga por uma determinada empresa, que necessita de um serviço e quer cortar custos, sem a necessidade de desenvolver uma nova plataforma para ser implantada em um PAAS ou IAAS. 

Dessa maneira, a economia na operação é expressiva, pois o custo da plataforma terceirizada é menor que o custo de desenvolver uma aplicação própria, que exige a contratação de diversos profissionais para manutenções constantes.

No entanto, por se tratar de uma terceirização, a logística para resolver problemas dos usuários é afetada, por ter de lidar com empresas diferentes, sem ter o contato com os próprios funcionários. 

Além disso, funcionalidades específicas de desejo da empresa podem não ser obtidas, como seria caso fosse um software próprio, personalizável a desejo da instituição. Por isso, softwares SAAS geralmente são mais genéricos, de modo a alcançar o maior público possível, tendo exemplos como Linkedin, Dropbox e Salesforce.

IASS

O IASS, como tem o papel de infraestrutura de serviço, oferece todo o suporte para que o software seja hospedado com redes e armazenamento. Para isso, se utiliza de seus próprios servidores para fornecer o serviço, por meio de uma assinatura que não varia de acordo com o fornecedor. 

O IASS se diferencia do PAAS por caber apenas a infraestrutura de TI. Já o PAAS, além das funcionalidades do IAAS, possui um ambiente para o desenvolvimento do próprio software, sendo assim para públicos diferentes.

Seu objetivo é gerenciar os bastidores da aplicação, de maneira flexível e de acordo com as necessidades do cliente, sem a necessidade de sistemas próprios ou a assinatura de softwares pagos que necessitam de licença. 

Exemplo de SAAS é o Amazon Web Services (AWS), plataforma de computação em nuvem, que permite controle geral da infraestrutura da aplicação, e a possibilidade de seus clientes se situarem sobre o estado da aplicação que foi hospedada no AWS.

Conclusão

Após conhecermos os três tipos, percebe-se que o IASS e o PASS são bastante semelhantes, por tratarem da infraestrutura de TI, apesar de terem algumas características distintas, que alteram o público que a utiliza.

Já o SAAS é voltado para outro segmento, de quem deseja um software já hospedado e que atenda às necessidades da organização, tendo somente de realizar o pagamento de uma assinatura mensal para utilizá-lo no seu ambiente de trabalho.

Ponto importante também, é o impacto da computação em nuvem e os benefícios que ela pode trazer às empresas, reduzindo a mão de obra necessária e o custo operacional da instituição, além de acesso móvel de armazenamento ilimitado, em um espaço de colaboração que possui boa segurança contra ataques de invasores.

Contudo, é preciso selecionar os fornecedores do serviço de maneira correta e consciente, sempre considerando o custo-benefício, visto que a escolha de um de baixa qualidade pode gerar consequências graves e possíveis impactos negativos para os usuários, como o acesso indevido de dados sigilosos e quedas frequentes nos servidores.

Nosso time de especialistas está preparado para te atender. Entre em contato para saber mais.

Sobre o Autor

Leandro Lima
Leandro Lima
Leandro Lima é entusiasta da Computação em Nuvem e apaixonado por disseminar conhecimento sobre inovação e novas tecnologias. Especialista em Cibersegurança e Cloud Computing Atualmente exerce a função de Head de Tecnologia e Transformação Digital na DCIT TECNOLOGIA. Possui mais de 25 certificações profissionais em TI, dentre elas, Cisco CCNA / CCNP / ITIL / AWS Technical Professional / AWS Business Professional e AWS Solutions Architect Associate.